segunda-feira, 8 de setembro de 2008

Vitamina C (Estudo científico)

A ingestão de vitamina C está relacionada com a redução do risco de diabetes tipo II

Autora: Laurie BarclayPublicado em 29/07/2008

De acordo com um estudo de coorte, prospectivo e de base populacional publicado no número de 28 de julho do Archives of Internal Medicine, os indivíduos com concentrações elevadas de vitamina C no plasma e aqueles que ingeriam maior quantidade de frutas e verduras (ainda que em menor grau) apresentavam risco menor de desenvolver diabetes mellitus tipo II.
Segundo Dra. Anne-Helen Harding, PhD, da University of Cambridge, Reino Unido e seus colaboradores do estudo European Prospective Investigation of Cancer–Norfolk, “estudos epidemiológicos sugerem que um grande consumo de frutas e verduras pode reduzir o risco de diabetes tipo II, contudo, as evidências epidemiológicas eram inconclusivas. A concentração plasmática de vitamina C é um marcador eficiente do consumo de frutas e verduras, mas não conhecemos nenhum estudo prospectivo que tenha examinado a sua associação com o risco de diabetes.
Este trabalho tem como objetivo avaliar o quanto a concentração plasmática dessa vitamina e a ingestão de frutas e verduras estavam associadas à redução da incidência de diabetes tipo II”.
Entre 1993 e 1997, 21.831 indivíduos saudáveis, com idades variando entre 40 e 75 anos, participaram desta pesquisa, sendo submetidos à aferição da concentração plasmática de vitamina C no início do trabalho, além de responder a um questionário semiquantitativo sobre seus hábitos alimentares para avaliar o seu consumo habitual de frutas e verduras. Entre fevereiro de 1993 e dezembro de 2005, após um período de acompanhamento de 12 anos, ocorreram 735 casos novos de diabetes. Os níveis plasmáticos de vitamina C apresentaram uma associação significativa e inversamente proporcional ao risco de diabetes.
Após o ajuste de variáveis demográficas, antropométricas e de hábitos de vida, os indivíduos com concentrações plasmáticas de vitamina C entre os níveis 20% mais elevados apresentavam odds ratio (OR) de 0,38 (intervalo de confiança [IC] de 95%, 0,28 – 0,52). Da mesma forma, OR ajustado para diabetes entre os 20% de pacientes que consumiam mais frutas e verduras era de 0,78 (IC de 95%, 0,60 – 1,00).Os autores informaram que “as concentrações plasmáticas elevadas de vitamina C e, em menor grau, o consumo de frutas e verduras estiveram associados a um risco menor de diabetes.
Esses resultados realçam a importância da dieta rica em frutas e verduras como uma estratégia de prevenção do diabetes para as autoridades de saúde pública”. As limitações deste estudo incluem o possível erro na aferição da quantidade da dieta, a ausência de dados sobre as concentrações de vitamina C nas frutas e verduras ingeridas por cada participante, o diagnóstico de diabetes baseado em comunicação individual e outros potenciais fatores de confusão.
Os pesquisadores concluem que “esses achados de uma associação consistente entre a redução de risco de diabetes, a concentração de vitamina C e a quantidade de frutas e verduras ingeridas necessitam de confirmação através de outros estudos prospectivos e com desenho específico. Entretanto, a associação observada neste trabalho, somada a uma explicação biológica plausível, fornece uma evidência convincente dos benefícios que o consumo de verduras, frutas e vitamina C possui sobre o risco do diabetes. Como esses alimentos são uma grande fonte desta vitamina, os achados sugerem que mesmo o consumo em pequenas porções pode ser suficiente para reduzir este risco.
Tal proteção também parece tornar-se maior à medida que se aumenta o consumo desses alimentos”.
O estudo European Prospective Investigation of Cancer–Norfolk é financiado por doações das seguintes instituições: Cancer Research Campaign; Medical Research Council; Stroke Association; British Heart Foundation; Department of Health; Commission of the European Union's Europe Against Cancer Programme; Research Into Ageing e do Department for Environment.
Retornarei em breve com novos conhecimentos, fundamentações.
Grande Beijo,
Joana Reis

Nenhum comentário: